Terça-feira, 20 de Outubro de 2020
Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade

Logística reversa: o que é, como funciona e como aplicar

Logística Reversa, também conhecida como logística inversa, é a área da logística com foco no retorno de materiais já utilizados para o processo produtivo, visando o reaproveitamento ou descarte apropriado de materiais e a preservação ambiental.

Publicada em 08/07/20 às 11:27h - 191 visualizações

por Delton Stabelini


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Você sabia que a logística reversa é muito importante para as empresas e a sociedade?

Logística Reversa, também conhecida como logística inversa, é a área da logística com foco no retorno de materiais já utilizados para o processo produtivo, visando o reaproveitamento ou descarte apropriado de materiais e a preservação ambiental.

Quando uma empresa de logística consegue empregar um processo de logística reversa de maneira ainda lucrativa, ela está alcançando a sustentabilidade econômica e ambiental do seu negócio.

E isso é muito importante para que grandes empresas não se tornem inimigas da sociedade, mas parceiras valiosas na rotina.

Fabricantes de produtos como geladeiras, pilhas, computadores, entre outros, segundo a Lei 12.305, são responsáveis pela destinação final dos resíduos industriais provenientes da fabricação seus produtos.

Então, sempre que você vê lixo em beiras de estradas e rios, entenda que alguma empresa está falhando em sua logística reversa.

Assim, neste texto, explicamos com dicas e exemplos do que é logística reversa e como ela funciona em detalhes.

O que é logística reversa – conceito e definição

Segundo o artigo 3, parágrafo 12, da Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010: a logística reversa consiste em um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

Não entendeu muito bem? É simples. A logística comum é um conjunto de estratégias e ações para produzir e entregar produtos da forma mais barata e ágil possível às lojas e consumidores.

Logo, a logística reversa, é um conjunto de estratégias e ações para recolher esses produtos utilizados da forma mais barata e ágil possível.

Para entregar um produto apenas dois agentes são envolvidos: a fabricante e sua transportadora. Ambos executam sua estratégia para que os produtos cheguem ao ponto de venda.

Para que a logística reversa aconteça, todos os agentes também devem ter incentivos. Os fabricantes e transportadoras devem ser incentivadas pelo Governo. As lojas devem ser incentivadas pelas empresas e as pessoas devem ser incentivadas tanto pelas empresas quanto pelas lojas.

Como funciona a logística reversa e exemplos praticados no mercado

Segundo o artigo 3, parágrafo 12, da Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010: a logística reversa consiste em um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

Não entendeu muito bem? É simples. A logística comum é um conjunto de estratégias e ações para produzir e entregar produtos da forma mais barata e ágil possível às lojas e consumidores.

Logo, a logística reversa, é um conjunto de estratégias e ações para recolher esses produtos utilizados da forma mais barata e ágil possível.

Para entregar um produto apenas dois agentes são envolvidos: a fabricante e sua transportadora. Ambos executam sua estratégia para que os produtos cheguem ao ponto de venda.

Para que a logística reversa aconteça, todos os agentes também devem ter incentivos. Os fabricantes e transportadoras devem ser incentivadas pelo Governo. As lojas devem ser incentivadas pelas empresas e as pessoas devem ser incentivadas tanto pelas empresas quanto pelas lojas.

Como funciona a logística reversa e exemplos praticados no mercado

Imagine que um novo fabricante de pneus está estruturando o seu processo de logística reversa. O que ele precisa fazer?

Começando pelo fim. Quem é o usuário final dos pneus? Os caminhoneiros e as empresas em que eles trabalham. O que é preciso então?

Incentivar os usuários finais

Esse é o primeiro passo.

Sabe toda aquela propaganda de empresas em pontos de venda para que você retorne pilhas e outros objetos utilizados? É o esforço de uma empresa em melhorar sua logística reversa.

Os resíduos devem estar em um único local para que seja feita uma coleta otimizada.

Então, a empresa de pneus deve alinhar com todas as lojas para que elas recebam estes pneus. Os usuários devem receber essa orientação nas lojas e de preferência por todos meios de contato disponíveis: e-mail, telefone, carta e etc.

Adicionar uma rota de coleta à rota de entrega

Os caminhões, quando terminam a sua rota de entregas, devem voltar para o depósito, certo? Por que não fazer uma rota de retorno que contemple o recolhimento dos pneus descartados?

Ao fazer isso, o fabricante de pneus e sua transportadora aproveitarão melhor a rotina de entregas, otimizando também a logística reversa.

Mas existem outros meios de dar um bom destino ao produto final.

Seja criativo e eduque os consumidores

Você não precisa recolher 100% dos pneus. Eles podem ser encaminhados para outro fim pelo usuário final.

Não seria muito bom para o fabricante se os pneus fossem recolhidos por uma ONG que os utiliza em hortas comunitárias?

Talvez o custo de recolher e encaminhar tantos pneus seja diminuído e com essa economia, o produtor possa incentivar essa ONG com a doação de um pequeno utilitário para fazer a coleta.

A empresa ganha incentivo fiscal com a doação, a ONG ganha com o veículo e todos ganham com menos pneus poluindo o meio ambiente.

Outros exemplos de logística reversa

Veja outros exemplos de logística reversa que acontecem todo o dia:

  • Reciclagem de garrafas PET;
  • Devolução de correspondências;
  • Reciclagem de eletrônicos;
  • Reciclagem de pilhas.
  • Reciclagem de óleo lubrificante usado

Conclusão

logistica
Vale a pena investir em logística reversa?

A logística reversa traz muitos benefícios às empresas, principalmente porque ela estará cumprindo a lei e beneficiando a sociedade.

Isso pode ser utilizado como argumento de marketing em sua estratégia de comunicação.

A ecoeficiência dos produtos já é um fator de desempate entre os consumidores. Ninguém quer uma geladeira que consome muita energia ou uma transportadora que peca em recolher e encaminhar os produtos para sua cadeia de reaproveitamento.

Em resumo, para que a logística reversa seja bem aplicada, o fabricante e as empresas responsáveis por sua logística devem ter uma visão global da cadeia de suprimentos.

Resíduos da fabricação, transportearmazenagem e o produto acabado são responsabilidades das empresas envolvidas.

Ao implantar essa estratégia de logística, sua empresa estará contribuindo para uma economia alternativa que gera novos produtos com resíduos que seriam descartados.

Lembre-se: o que é lixo para você e sua empresa pode ser utilizado por outras empresas, que farão outros produtos, empregando mais pessoas e fazer uma nova economia girar.

Delton Stabelini 

Especialista Técnico formado pela Universidade Metodista de Piracicaba em Engenharia Industrial Mecânica, Pós Graduado em Marketing. Com mais de 22 anos de experiência no setor de Petróleo, sendo 9 anos na área de vendas de lubrificantes industriais e automotivos, e os demais na área de suporte técnico e desenvolvimento de lubrificantes para mercado brasileiro.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (41) 99844 8018

Copyright (c) 2020 - radioplena.com.br - Para quem é notável pelo que é, e não pelo que faz de conta ser!